Horácio Antunes: "Cenário desenvolvimentista no Maranhão tem provocado profundos impactos socioambientais, alterando biomas e modos de vida de populações locais"

Em entrevista ao sítio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Cientíifico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), Horácio Antunes, pesquisador da Universidade Federal do Maranhão, falou sobre os impactos causados pelos ditos grandes projetos de desenvolvimento, que contam com apoio do poder público nas mais variadas esferas, a milhares de pessoas, notadamente nas comunidades mais vulneráveis do Estado. Antunes compôs a Coordenação Geral do Seminário Internacional Carajás 30 Anos: resistências e mobilizações frente a projetos de desenvolvimento na Amazônia oriental.

Segundo o estudo, desenvolvido nos municípios de São Luís, Bacabeira, Rosário, Açailândia, Buriticupu e Alcântara, os impactos gerados causam prejuízos não somente ao meio ambiente, alterado em função da exploração pelos grandes projetos, mas também às comunidades, afetadas pela lógica do desenvolvimento.

Ele relacionou a resistência das comunidades a essa lógica excludente com a própria manutenção e conservação das condições de vida no planeta. “A agressão ou destruição da natureza implica também no comprometimento da qualidade de vida tanto de trabalhadores industriais quanto de moradores das periferias das cidades e dos campos. Lutar por melhores condições de trabalho ou pela defesa de um território não é somente uma causa específica, mas um interesse geral das sociedades humanas, que é a conservação planetária”, disse.

Para acompanhar o teor da entrevista à Fapema, veja a matéria, na íntegra, no sítio da entidade, que pode ser acessada clicando AQUI.